Defesa

A ignota morte do general Jaborandy

08-31-2015Jaborandy_MINUSTAHQuando você se preparava para sair pro feriado da Independência, na última sexta-feira, o Exército Brasileiro desembarcava em Maceió o corpo do general José Luiz Jaborandy Júnior, morto cinco dias antes a bordo de um voo comercial que ia de Miami a Manaus. Jaborandy comandava a maior operação militar brasileira desde a Segunda Guerra Mundial. Ele tinha sob sua responsabilidade todos os militares que compõem a Missão da ONU no Haiti, a mais ambiciosa missão da história das Nações Unidas quando se trata de tentar reconstruir institucionalmente um país, do zero. O militar não foi o primeiro brasileiro morto no posto. Antes dele, outro general, Urano Bacelar, se matou com um tiro na cabeça, em 2006, num hotel da capital haitiana. Outro brasileiro, o soldado Geraldo Barbosa Luiz, de apenas 21 anos, também morreu depois de disparar contra si mesmo, em novembro do ano passado, enquanto servia na mesma missão. Jaborandy havia assumido em março. Ele tinha apenas 57 anos. Todo funcionário a serviço da ONU passa por avaliações de saúde quando serve no exterior. Mais ainda se está no comando de tropas operacionais. Apesar disso, o general simplesmente “passou mal” e “acabou falecendo de mal súbito“, de acordo com declaração dada pelo tenente-coronel Hélder ao G1. Continuar lendo

Anúncios
Padrão
Defesa

Cluster bombs padrão Fifa

blog13AO povo que anda acanhado pelo fracasso de nossos estádios e aeroportos às vésperas da Copa pode relaxar. O general do Exército Gerson Menandro Garcia de Freitas, chefe de Assuntos Estratégicos do Estado-Maior das Forças Armadas, foi ontem à Câmara dos Deputados assegurar que, ao contrário de quase todos os outros setores da vida nacional, nossa produção de bombas cluster vai de vento em popa. Continuar lendo

Padrão
Defesa

Suíços escolhem caças

blog10AA população da Suíça vai às urnas 18 de maio para decidir se o país gastará ou não o equivalente a R$ 8 bilhões para trocar seus 54 aviões de combate F-5 Tiger por 22 caças Gripen, de fabricação sueca. O negócio é semelhante ao que o Brasil fez recentemente, adquirindo 36 Gripen por mais de R$ 10 bilhões. O que chama atenção é a forma absolutamente transparente e participativa como a Suíça lida com um tema que, por aqui, é considerado quase um segredo de Estado.

Além de escolher os caças da força aérea, os suíços votarão, no mesmo plebiscito, sobre o valor do salário mínimo, sobre a proibição de pedófilos exercerem funções que envolvam contato com crianças e sobre os chamados “médicos da família”. Continuar lendo

Padrão
Defesa

20% de Pax Haitiana

blog19AManter a paz é função sem fim. Logo, a ONU decidiu hoje manter as tropas no Haiti. Com a renovação do mandato, “nossos rapazes” completarão 10 anos à frente do que já é a maior ação militar brasileira no exterior desde a Segunda Guerra Mundial. A menos que se revogue a inércia das leis da Física, a paz não chegará ao Haiti. Como, de resto, nunca chega a lugar nenhum do mundo. Daí o caráter inevitavelmente político da decisão de militarizar o Haiti e não o quarteirão da ONU em Nova Iorque.

Afinal, quantos por cento de paz seria o bastante para justificar a saída das tropas? 20%? Essa foi a redução do contingente militar a partir da Resolução 2119/2013 – de 6.233 para 5.021. Na mão contrária, a polícia cresce. Passa de 2.457 para 2.601. É o “step down”, a preparação gerúndica do “já vou, já estou saindo”. Continuar lendo

Padrão